TRAJETORIA

Nascido em Paris e criado em Toulouse, França, Jérôme Charlemagne começou a música com 6 anos de idade começando pelo violoncelo, o piano, o violão, a harmonia clássica, antes de optar finalmente pelo Saxofone Tenor.


 

Apaixonado pela cultura popular Brasileira, residiu em Coimbra (Portugal), onde integrou a Banda de Jazz da Tuna Acadêmica de Coimbra (TAUC) como solista e com quem se apresentou Portugal afora e em uma turnê pela Europa Central em 1997. Nesse período também integrou a banda pop Belle Chase Hotel, do cantor e compositor JP Simões, com quem participou de shows, arranjos e gravações.


 

Em 1998, chegou ao Brasil, onde aprendeu o “Toque Brasileiro”, com Cacá Malaquias (Banda Mantiqueira), Demétrio Lima (Jazz Sinfônica), Rogério Costa (do “Aquilo Del Nisso”) e Paulo Oliveira; completou o Curso de Harmonia e Rearmonização com Cláudio Leal, e realizou workshop e cursos com divrosos mestres como Naylor “Proveta” Azevedo, Roberto Sion, Luis Miguel Wisnik, Carlos Malta, Letieres Leite ou Itibéré Zwarg.

 

Jerome Charlemagne também investiu na área de eventos em São Paulo onde vem atuando desde então, criando o site mais visitado do Brasil no Mercado de eventos com saxofones.

 

Paralelamente, participou de numerosos projetos autorais em varios estilos, juntando ao calor do saxofone tenor a energia veloz do soprano; entre quais se destacam a sua participação no quinteto instrumental Le Petit Comité, liderado pelo maestro e vibrafonista André Juarez, a banda samba de raiz Comadre Fulozinha da cantora Karina Buhr, e participações com o trombonista Bocato, o violonista e cantor Filo Machado ou o guitarrista de blues André Cristovam.

 

Jerome também atuou no Exterior, em duas estadias na China (2007 e 2010),  onde se apresentou em casas de Jazz e grandes hotéis, passando por Xangai, Pequim, Hong-Kong e Macau. Entre varios trabalhos destaca-se o projeto Terra Ignota do multi-instrumentista Raul Saldanha, que representou a cidade de Macau na Exposição Universal de Xangai, além de participações com grandes nomes da musica atuando na China, como a cantora norte-americana de soul Micki Murphy, ou a cantor francesa Anne Evenou, assim como artistas visitantes do Brasil, encontrando no palco, novamente, o mestre Filo Machado.  

 

Em 2011, Jérôme Charlemagne voltou ao Brasil, onde divide seu tempo entre São Paulo e a cidade de Paraty, no Rio de Janeiro. É integrante e co-arranjador da banda do cantor e compositor Luis Perequê, criador do Instituto Silo Cultural, e com quem vem se apresentando por todo o Brasil e realizou o álbum Luis Perequê ao Vivo, lançado em 2012. Jerome vem atuando na cena local, se apresentando com freqüência pela região, junto com o violonista e compositor Rhandal Oliveira, com quem gravou e dirigiu o projeto Suíte de Paraty, e realizou dois shows na Casa da Cultura, com convidados especiais tal como o flautista PC Castilho em agosto de 2014 e o pianista Antonio Barker em Maio de 2015.

 

Continua atuando em São Paulo no quinteto André Juarez & Le Petit Comitê,  com quem se apresentou na Europa em 2014, e gravou três CDs, “Pirata” (2005), “Ao Vivo no CCSP”(2010), e “Vintage” (2015).

 

Em 2015, com o trombonista Matias Capovilla e o flautista Rogério Custodio, Jerome fundou a Orquestra Popular de Paraty (OPP), dedicada a valorizaçao da musica regional, onde vem atuando como arranjador e diretor musical.

 

Enfim, entre ativiades anexas, destaca-se a de letrista, com a parceria com o musico Gabonês Frederic Gassita na musica M'Balancé, lançada no mercado internacional em 2015.